Booking.com

segunda-feira, março 22, 2010

Entrevista a Gonçalo Ramos (GD Guiense)

1 - Que funções desempenhas no GDG e há quanto tempo?
Há 5 anos que estou cá como jogador e há 4 anos como coordenador do futebol juvenil.
.
2 - Sendo coordenador do futebol juvenil, como consegues conciliar o teu trabalho com a direcção de um clube desta dimensão?
Esse é um dos problemas que desde o início expus à direcção do clube. Foi-me pedido para que desse o meu melhor em prol de uma formação um pouco desgovernada na altura. Porém, não é realmente fácil conciliar o tempo que me resta do trabalho até porque, esse, é definitivamente muito pouco! De qualquer forma e assumindo esse condicionalismo, o caminho estabeleceu-se através da criação de uma estratégia que conseguisse combater a ausência física de um coordenador. Esta, caracterizou desde o começo pelo recheio, no clube, de gente (técnicos e directores) capaz, inteligente, solidária, formada técnica e pessoalmente, presente e, acima de tudo, que definitivamente acrescentasse a qualidade que, para nós, é essencial face àquele que é o alvo do nosso trabalho, as crianças! Depois, e numa perspectiva de dar respostas aos problemas que impreterivelmente vão surgindo, assumimos que, em conjunto, e com linhas de orientação e comunicação bem definidas, teríamos condições para dar resposta. De um modo geral, e apesar das dificuldades que naturalmente nos afrontam, o Grupo Desportivo Guiense é um todo, e como todo que é, todos temos um pouco de directores, coordenadores e treinadores e é esta união que nos tem levado a “bom porto”!
.
3 - O Guiense tem crescido imenso nos últimos anos. Que projectos estão pensados para levar o nome do GDG mais longe?
O grande projecto deste clube passa por continuar a crescer! Estamos a viver uma fase em que, estruturalmente, o clube começa a ter de dar resposta à “massa” humana que o começa a compor. O aumento de equipas fez, naturalmente, com que aumentasse também o número de crianças e jovens a integrar os nossos quadros o que, em termos logísticos, não tem sido fácil de gerir. O projecto passa portanto, e numa primeira fase, por criar condições para que se potencialize o crescimento estrutural do clube. Felizmente que essas condições, como é do nosso conhecimento, já estão a caminho! Em termos organizativos, há que dar continuidade aos eventos que o clube desenvolveu nos últimos anos. Os torneios que começámos a organizar (que eram zero (!) quando iniciámos o projecto) serão naturalmente para manter e quanto a novos eventos será uma questão de tempo para que novas actividades apareçam. A nossa equipa técnica é bastante dinâmica pelo que, até ao final do ano, ainda teremos surpresas. O objectivo será sempre elevar o Grupo Desportivo Guiense a um lugar de destaque, onde de resto, merece estar!
.
4 - O torneio das Cabecinhas da Época 2008/2009 foi um sucesso. Qual o segredo para tal e como será este ano?
Não foi só esse! Na nossa opinião, todas as edições o foram. O segredo passa por uma série de factores que consideramos fundamentais para que se possa alcançar sucesso na organização de qualquer evento: trabalho, dedicação, organização, “vontade de vencer” e amor pelo clube que representamos. À imagem dos anos anteriores, o nosso objectivo passa por apostar na qualidade dos serviços que prestamos às crianças mantendo, pelo menos, a performance verificada nas edições anteriores.
.
5 - Quais as tuas expectativas para a época de 2009/2010 no que diz respeito aos Seniores e às camadas de formação?
Os objectivos dos Seniores, que foram estipulados pela equipa técnica e direcção, passavam pela melhor classificação possível no campeonato e na ida à final da taça distrital. Com este último já fora de hipótese, resta-nos continuar com o desempenho que temos tido no campeonato que, apesar das inúmeras contrariedades com que nos temos deparado, tem sido realmente muito bom. Em termos de camadas jovens, acho que começa a ser imperativo alicerçarmo-nos nas divisões que condigam com a nossa realidade principalmente nos escalões onde já se trabalha competitivamente (futebol de 11). Quanto à formação, passa por dar continuidade ao trabalho que temos vindo a desenvolver tanto na vertente técnica da modalidade como na construção daquele que será o recheio de valores, princípios e ideais que possam fazer das nossas crianças futuros homens.

Entrevista retirada na íntegra do Blog do GD Guiense

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails

Wook