Booking.com

quarta-feira, julho 31, 2019

Estão abertas pré-inscrições para cursos de Grau I e Grau II de Futebol e Futsal

A Associação de Futebol de Leiria abriu as pré-inscrições para os seguintes Cursos de Treinadores:

Futebol:
• Grau I – UEFA C
• Grau II – UEFA B

Futsal:
• Grau I – UEFA C
• Grau II – UEFA B

As pré-inscrições irão decorrer até ao próximo dia 15 de setembro, podendo os interessados consultar aqui ou na página da AF Leiria – www.afleiria.com – a informação geral sobre estes cursos.

Dupla assume comando técnico dos Juvenis do Caldas SC

A equipa de Juvenis do Caldas Sport Clube vai ser treinada esta temporada de 2019-2020 pela dupla Rui Roque e Vasco Silva. Os dois técnicos assumem assim em parceria o comando técnico da equipa, que vai disputar o Campeonato Nacional/Série C, tendo a sua estreia oficial marcada para dia 18 de Agosto, numa sempre difícil deslocação à Académica de Coimbra.

UD Leiria empata em mais um jogo de preparação

Em mais um jogo de preparação, a União Desportiva de Leiria empatou a zero bolas esta tarde, na deslocação ao reduto do Leça FC.

André Amores é reforço no GRAP

O GRAP acaba de assegurar mais um importante reforço para a temporada que se avizinha. Trata-se de André Amores, defesa-central de 19 anos, que na última temporada representou o GDR Boavista, onde se afirmou como um dos melhores jogadores da Divisão de Honra, na sua posição.
Natural de Lagos, André Amores começou a sua formação no Esperança de Lagos, tendo depois passado pelo Portimonense,  e tendo depois rumado à UD Leiria, onde fez as suas duas temporadas como Júnior.

terça-feira, julho 30, 2019

Walter Estrela é o novo treinador dos Juniores do Caldas SC

Depois de nas últimas temporadas ter estado ao serviço da ACR Maceirinha, Walter Estrela vai assumir em 2019-2020 o comando técnico da equipa de Juniores do Caldas Sport Clube. Recorde-se que o Caldas SC vai disputar a 2.ªDivisão Nacional, depois de na última época, sob o comando de Vasco Silva, ter conquistado a Divisão de Honra Distrital e a Taça do Distrito de Leiria. 
Walter Estrela regressa assim a uma casa que bem conhece e a um clube, que enquanto jogador, representou por sete temporadas.

segunda-feira, julho 29, 2019

Filipe Cândido: “Vamos dar a vida pela UD Leiria todos os dias”

O treinador da UD Leiria promete aos sócios e adeptos da UD Leiria uma equipa à sua imagem, ou seja, com espírito guerreiro e vencedora. Contudo, Filipe Cândido pede paciência já que o trabalho que está a ser feito parte praticamente da estaca zero.
“Vamos dar a vida pelo clube todos os dias, em prol de satisfazer aquilo que são os desejos dos adeptos, que é pensar em vencer jogo a jogo, sem criar uma expectativa demasiado alta. É uma equipa totalmente nova e é preciso alguma paciência, mas os adeptos podem ter a certeza que tudo vamos fazer para que a equipa esteja o mais bem preparada possível, para que jogue um futebol atractivo e ofensivo, que possa criar mais oportunidades que o adversário e que possa estar mais perto de vencer. Da nossa parte, vamos trabalhar muito para honrar a camisola que vestimos e que os adeptos adoram”, resumiu o jovem técnico unionista, que na época passada levou a UD Leiria ao ‘play-off’ de subida.
Com duas semanas de trabalho de pré-época, Filipe Cândido diz que ainda é cedo para fazer balanços, ainda para mais quando o plantel não está fechado. “Estamos no início daquilo que é a preparação de uma época desportiva que acabou por ser condicionada porque acabámos a época anterior mais tarde do que praticamen­te todas as outras equipas que tiveram mais tempo para se prepararem. Nesse sentido, ain­da estamos numa fase embrionária de construção de qualquer coisa que queremos que seja positiva em prol dos objectivos que o clube tem que é andar no cimo da tabela classificativa, procurar jogar de forma positiva, tentar vencer pensando jogo a jogo. É dessa forma que estamos a orientar os trabalhos nesta fase inicial. O facto de grupo ainda não estar fechado limita um bocado as nossas conclusões da pré- -época”, explicou.
Relativamente aos resultados nesta fase de preparação, Filipe Cândido diz que não são importantes. “Não há uma valorização muito grande dos resultados. É óbvio que é sempre um indicador e nem que seja um jogo a feijões com os amigos queremos sempre ganhar, mas sinceramente não é o que nos orienta neste momento. O que nos orienta é preparar o grupo o melhor possível, dar as condições a todos de evoluírem de forma igualitária em termos de tempo de jogo, e fazer algumas experiências. Claro que isso depois pode reflectir--se num resultado menos positivo”, adiantou.

Começar da estaca zero
O facto de apenas seis jogadores transitarem da época passada está a dificultar o trabalho do técnico leiriense que terá que ‘perder’ mais tempo até que os novos elementos compreendam o que é pretendido. “É uma equipa praticamente nova e a exigência terá que ser ligeiramente diferente. Uma coisa é uma equipa transitar de uma época para outra com uma base, outra coisa é quando se juntam 16, 17 jogadores novos. É normal que, até cimentarmos as ideias, as coisas levem um pouco mais de tempo. Mas isso não me assusta, até acho que entusiasma qualquer treinador pelo desafio em si”, sublinhou Filipe Cân­dido.

Técnico confiante por trabalhar com jovens atletas
Até ao momento, o técnico conta com um plantel bastante jovem (média de 24 anos) o que Filipe Cândido até considera “aliciante”, tendo em con­ta que os jogadores contratados têm uma “vivência de relevo, nomeadamente na formação”, que lhe dá garantias de qualidade.|

Texto: José Roque - Diário de Leiria
Foto: Luis Filipe Coito

GD Alvaiázere com três reforços e seis renovações confirmadas

O Grupo Desportivo de Alvaiázere vai continuar a ser treinado por Toni em 2019-2020. O técnico, que terá como adjuntos Luís Simão e João Carvalho, tem também já confirmadas as renovações de seis atletas:  Alex Santos, Sandro Carvalho, Carlos Paulo, Fábio Antunes, Paulo Coimbra, Rui Mendes. Para além destas renovações, o GD Alvaiázere já confirmou também três novos reforços para a época que se avizinha: Ricardo Sousa, Luís Estudante e Daniel.

quinta-feira, julho 25, 2019

Danny Esteves estreia-se na 1.ª Liga romena

O avançado Danny Esteves estreou-se, este sábado, na 1.ª Liga da Roménia, ao atuar na derrota caseira do Clinceni diante do Cluj, por 1-4, na 2.ª jornada do campeonato.
O jogador, de 24 anos, foi chamado pelo técnico Ilie Poenaru aos 72’ do encontro, quando o resultado final já tinha sido fixado.
Natural de Monte de Bois (Alcobaça), Daniel Jorge Dias Esteves iniciou a carreira no Ginásio Clube de Alcobaça, tendo depois passado pela União Desportiva de Leiria e faz a primeira época como profissional, depois de uma grande temporada no Praiense, clube pelo qual somou 17 golos em 41 jogos no Campeonato de Portugal.

Joaquim Paulo - Região de Cister

Miguel Félix vai continuar no comando da AD Figueiró dos Vinhos

A Associação Desportiva de Figueiró dos Vinhos já confirmou oficialmente a continuidade do treinador Miguel Félix para a temporada de 2019-2020, onde continuará a ter Carlos Silva como adjunto. Para além da equipa técnica, o clube também já confirmou a continuidade do capitão Beto, do defesa Flechas e da contratação de Renato, um defesa com muitos anos de clube e que agora regressa.

Oito reforços no GDR Boavista

O Grupo Desportivo e Recreativo da Boavista, que na próxima temporada voltará a ser orientado por Pedro Nunes, tendo Nélson Brites como adjunto, já garantiu até ao momento oito contratações para a temporada de 2019-2020: Diogo Martins (ex-AD Portomosense), Renato Carvalheiro (ex-GRAP), João André (ex-SCL Marrazes), Miguel Carvalho (ex-SCL Marrazes), João Videira (ex-CCR Alqueidão da Serra), Marcelo Carvalho (ex-SCL Marrazes), João Duarte (ex-Juniores UD Leiria) e João Batista (ex-CA Ouriense).
Para além destas contratações, a equipa da Boavista garantiu também a renovação com dez jogadores da última temporada: Miguel Oliveira, Nuno Filipe, Daniel Gregório, João Mosca, João Capão, Wilson Oliveira, Celso Pereira, Simão Silva, Lukas Fonseca e Diogo António.

quarta-feira, julho 24, 2019

Processo do alegado ‘jogo da mala’ foi arquivado

O processo do alegado ‘jogo da mala’ que envolvia o Beneditense, o Alqueidão da Serra, o Mirense e o Portomosense foi arquivado pelo Conselho de Disciplina (CD) da Associação de Futebol de Leiria (AFL).
O caso remonta a 19 de Maio de 2018 quando se disputou a última jornada da Divisão de Honra LizSport, jornada essa decisiva para o Mirense e o Beneditense que discutiam a manutenção no principal escalão do futebol distrital. O resultado final dos jogos que envolviam estas duas equipas acabou por ‘condenar’ à descida o Beneditense, mas o presidente do clube da Benedita não calou a revolta, alegando ter havido ‘jogo da mala’.
Nesse sentido, o Beneditense enviou à AFL um documento onde aponta os nomes dos agentes desportivos e os clubes envolvidos neste esquema, tendo aquele organismo aberto um processo de averiguação ao próprio Beneditense, ao CCR Alqueidão da Serra, à AD Portomosense e à UR Mirense, clubes directa ou indirectamente envolvidos na luta pela descida.
“Não tomámos esta medida pelo facto do Beneditense ter descido de divisão. Fazemos isto pela verdade desportiva”, ressalvou naquela altura o presidente do Beneditense, Luís Lopes, acrescentando que tomou conhecimento de “determinadas coisas” que são “muito graves”. “Estou a falar do ‘jogo da mala’. Andaram a oferecer dinheiro. Tenho os nomes e os clubes, e enviei essa informação à AFL”, acrescentou em exclusivo ao Diário de Leiria.
Por outro lado, o presidente do Mirense, António Lima, considerou as acusações “uma palhaçada” e condenou o clima de suspeição.
Um mês e meio depois da polémica, é conhecida a decisão do CD da AFL que decidiu arquivar o processo. O Diário de Leiria teve acesso ao relatório final e nele pode ler-se que o instrutor do processo acredita “não existir matéria de facto que permita a prova de infracção disciplinar para instauração de processo”, pelo que propôs ao CD o “arquivamento do processo de averiguações”.
“Nas declarações prestadas pelos elementos pertencentes ao Beneditense não se conseguiu a identificação de elementos que pudessem trazer aos autos indícios da ilicitude de atos puníveis no âmbito do Regulamento Disciplinar. Dos elementos que foram identificados, o treinador do CCR Alqueidão da Serra refutou e negou o facto de ter tido conhecimento de qualquer contacto (...) pela UR Mirense no sentido de serem recompensados em caso de vitórias (…). O outro elemento identificado e jogador do Beneditense, Vítor Maranhão, apesar das diligências efectuadas, não compareceu à inquirição”, pode ler-se no documento.
Por outro lado, ao que o Diário de Leiria conseguiu apurar, nenhum jogador, dirigente ou elemento da equipa técnica de Mirense e Portomosense foram chamados a prestar declarações ou esclarecimentos. Recorde-se que o jogo entre estas duas equipas acabou com o resultado de 3-3, um empate que permitiu ao Mirense garantir a manutenção, isto depois de ter estado a perder por 3-0. |

Texto: José Roque - Diário de Leiria
Foto: Vítor Santana

Tiago Vicente: “Enquanto o presidente da SAD e do clube não forem a mesma pessoa acho que não há solução"

Entrevista Tiago Vicente esteve ao serviço da UD Leiria durante oito épocas. Treinou os iniciados, os seniores, mas foi nos juniores que se notabilizou. Em entrevista ao Diário de Leiria, o técnico, de 40 anos, confessa os motivos da sua saída, acreditando ainda que a ‘guerra’ entre a SAD e o clube só acabará quando o presidente for o mesmo.

Diário de Leiria: Que balanço faz destes oito anos a representar a UD Leiria?
Tiago Vicente: O balanço é positivo. Cumprimos sempre o objectivo que foi a manutenção e fomos três vezes à fase final. No ano passado conseguimos a melhor classificação de sempre [6.º lugar na fase final].

Foi o treinador principal dos juniores durante sete anos. Qual foi a geração que mais o marcou?
É difícil porque no futebol as pessoas só se lembram do presente. Mas tivemos equipas muito competitivas. Quando não havia equipas B, os ‘grandes’ tinham muitos jogadores e emprestavam alguns, pelo que os campeonatos eram mais competitivos na primeira metade da tabela onde havia bastante equilíbrio. Lembro-me de uma boa geração da UD Leiria com o Carlos Daniel e Filipe Oliveira. Mais tarde houve uma geração muito boa onde apanhei o Benny, o Afonso [Caetano], o [Bruno] Jordão e aí tínhamos uma equipa interessante, assim como a da época passada. Mas a verdade é que nós só fazemos aquilo que nos deixarem fazer e não é fácil chegar aos quatro primeiros.

É possível nestas idades detectar um jogador que vai ser uma estrela? Houve algum adversário que te tenha impressionado?
A melhor equipa que eu defrontei foi o Sporting [época 2012/2013] que tinha jogadores como o Ié, Betinho, Filipe Chaby, João Mário, Mané e Gelson. Lembro-me que no Benfica, o João Félix, nos poucos jogos que fez nos juniores, fez aqui em Leiria três golos quando ganharam por 4-1. Até acho que foi o primeiro jogo dele em que jogou como falso avançado. Via-se claramente que era um fenómeno, mas como não era um jogador muito grande há sempre dúvidas porque um bom júnior pode não ser um bom sénior.

É complicada a transição dos juniores para os seniores?
Sim. Há miúdos que precisam de jogar nas equipas B e sub-23. Há outros ainda que precisam logo de jogar numa equipa de I ou II Liga. Só a esse nível é que se consegue saber se o jogador vai dar ou não, mas às vezes também te enganas.

Houve algum jogador que tivesse passado pelas suas mãos que o tivesse impressionado particularmente?
Todos aqueles jogadores que fazem sacrifícios enormes para treinar ficam sempre na memória do treinador, mas em termos de qualidade individual não posso deixar de falar do [Bruno] Jordão. Tinha um talento enorme.

Há muitas pessoas que as equipas do Tiago Vicente são muito resultadistas? Concorda?
As pessoas são livres de ter a sua opinião, mas eu gosto de fazer um jogo mais de transições, gosto de controlar o jogo sem bola se tiver que ser. Acima de tudo, não gosto de perder. Se chamam a isso ser defensivo… É a minha maneira de jogar.

Num escalão como os juniores é mais importante competir para ganhar ou formar?
Quando chegas a casa, a primeira coisa que as pessoas te perguntar é: qual foi o resultado? Ninguém quer saber se saíste a jogar, se jogaste bem, etc.. Acho que tem que haver um equilíbrio entre competir e formar, mas vejo este escalão mais de competição do que de formação porque o campeonato assim o exige. Já vi equipas a adoptarem um estilo mais ‘romântico’, mas quando estão à ‘rasca’ adoptam um estilo mais pragmático. Tentámos fazer o melhor com aquilo que tínhamos e cumprimos sempre os objectivos.

É possível ter uma equipa de juniores da 1.ª divisão nacional com jogadores da casa, como preconiza o actual presidente do clube?
É muito importante para a UD Leiria ter uma equipa na 1.ª divisão porque é a única coisa que os outros [clubes] ainda não têm. Se formos a ver, ao nível das condições, há clubes que têm mais e melhor. Ao nível da organização também se trabalha bem. Mas uma equipa na 1.ª divisão nacional de juniores nenhum outro clube tem no distrito, e isso é que é de preservar. É o que diferencia a UD Leiria em relação aos outros. Não acredito que isso se consiga só com jogadores da casa. Trazer jogadores de fora aumenta a competitividade e nunca vi ninguém ficar chateado por poder jogar com os melhores, venham eles de onde forem.

No início da época acumulou as equipas de juniores com a de seniores. Foi a opção certa na altura?
Foi uma altura complicada. Fui apanhado desprevenido. Era algo que eu um dia gostava de poder desempenhar, mas com outras condições. Na altura a minha principal preocupação eram os juniores e garantir a manutenção. Esse foi um dos primeiros entraves que disse logo ao presidente [Alexander Tolstikov]. Disse que não podia aguentar o barco durante muito tempo, mas a verdade é que consegui cumprir os objectivos nos dois escalões. Foi muito violento e desgastante para mim e para as pessoas que me rodeavam, mas assim que tivesse a noção que estava a prejudicar algumas das equipas teria que parar.

Decidiu sair dos seniores na paragem de Dezembro numa altura em que já se falavam dos ordenados em atraso. Foi esse um dos motivos da sua saída?
Na minha passagem pelos seniores perdemos três jogos e fosse quem fosse o treinador seria sempre difícil fazer melhor porque já era complicado motivar os jogadores. O Filipe Cândido teve a capacidade de aumentar os níveis de motivação dos jogadores, mas seria difícil um treinador fazer uma época inteira naquelas situações difíceis.

Como se lida com um balneário revoltado com os ordenados em atraso?
Os inícios de semana eram sempre complicados porque havia sempre a perspectiva de os jogadores receberem e quando isso não acontecia custava sempre a começar a ‘engrenar’. Mas nos treinos e nos jogos nunca notei que a questão dos ordenados os tivesse afectado. Tínhamos um plantel de briosos profissionais. Trabalharam sempre no limite.

Se pudesse voltar atrás voltaria a aceitar o convite da SAD para acumular as duas equipas?
Não tive grandes hipóteses. Vinha do jogo contra o Belenenses e pediram para fazer o jogo dos seniores no dia seguinte. Não tinha como dizer que não. Nunca tive hipóteses de fugir porque não podia voltar as costas às pessoas. Mas se pudesse voltar atrás fazia algumas coisas de forma diferente. Fiquei com alguma mágoa de não ter apostado mais em um ou outro jogador, nomeadamente o Renato [Alexandre], só que o plantel estava recheado de bons jogadores e era complicado chegar ali e meter um miúdo a jogar. Agora olhando para trás, teria feito isso.

Gostaria um dia de voltar a ser treinador dos seniores da UD Leiria?
Claro que sim. É uma cadeira apetecível e gostava de voltar numa perspectiva de valorizar alguns jogadores da formação do clube.

Contudo, sai da UD Leiria dizendo que não tem condições mínimas para continuar nos juniores? Que condições seriam essas?
Reuni duas vezes com o presidente do clube [Nuno Cardoso]. Ouvi o que as pessoas tinham a dizer e não concordei com o projecto. Não acho que seja possível ficar na 1.ª divisão de juniores só com jogadores da região. Percebo e respeito que as pessoas não queiram gastar dinheiro com jogadores de fora, mas não faria sentido eu estar a agarrar num projecto quando não acredito ser possível cumprir o objectivo.

Sai com mágoa por não lhe terem dado essas condições?
Eu percebo o lado da direcção do clube. Eles é que foram eleitos e o projecto é deles. Estou de consciência tranquila e isso é o mais importante. Com esta história entre a SAD e o clube eu acabei por sair prejudicado. Sempre pensei que pudesse haver um acordo, mas isso não foi possível. Ainda dei algum tempo para as pessoas pensarem e reflectirem, mas quando eu vi que não havia nada a fazer…

Acha que foi dado a Marco Ramos [treinador dos juniores da UD Leiria na próxima época] um presente envenenado?
Não. Eu, se calhar, no lugar dele teria feito o mesmo. Mas da forma como vesti a camisola da UD Leiria e assumi a responsabilidade, seria mau para mim aceitar este projecto com as condições que me foram apresentadas. Ele vai fazer o melhor possível e as pessoas vão ficar agradecidas.

Qual a sua relação com o presidente da SAD?
Foi uma pessoa que sempre me tratou bem e que tentou dar todas as condições.

Mas é verdade que a SAD tem uma dívida ainda bastante avultada para consigo?
Não houve nenhum sítio por onde tenha passado onde não houvesse dificuldades financeiras, e não foi por causa disso que deixei de agradecer às pessoas. É verdade que há uma dívida, mas isso só mostra que não tive ali por questões monetárias, como nunca tive.

Como vê a actual ‘guerra’ entre a SAD e o clube? Parece nunca haver estabilidade.
Enquanto o presidente da SAD e do clube não forem a mesma pessoa acho que não há solução. Estes conflitos ficaram ainda mais acessos a partir do momento em que o Alexander [Tolstikov] concorreu às eleições do clube. Toda a gente acha que consegue fazer melhor, mas eu acho que se devia caminhar em conjunto. Estaríamos mais próximos do sucesso. E ainda mais: gastam-se energias que seriam necessárias para outras coisas.

A verdade é que os anos vão passando e a UD Leiria continua a ter infra-estruturas escassas…
Ou se investe para se subir de divisão, ou investe-se nas infra-estruturas. Não se pode ter as duas coisas. O que eu vejo é que há outros clubes no distrito com muitos mais apoios, o que não aconteceu com a UD Leiria. Ainda sou do tempo em que tínhamos o estádio, tínhamos o pelado e um campo de treinos e aí já teríamos as infra-estruturas que tanto se fala, mas isso foi tudo trocado por um ‘campozinho’ lá em cima [Santa Eufémia] e estamos a colher os frutos disso.

O Tiago Vicente esteve também ligado ao processo da certificação da UD Leiria como entidade formadora, tendo recebido essa certificação em 2018. Contudo, o clube não recebeu a certificação este ano. Como se explica isso?
Fui apanhado de surpresa quando soube isso. O processo de certificação começou muito antes de eu ter sido coordenador do clube. Com o esforço de toda a gente envolvida conseguimos a distinção em 2018. Foi com grande surpresa que vi que nas notícias o nome da UD Leiria não estava incluído na lista dos clubes certificados. Depois de todo o trabalho que aquilo deu, acho que não é nada de transcendente dar continuidade a esse trabalho.

Como projecta a sua carreira?
Sobretudo, gostava de estar num projecto ambicioso, tanto na formação como numa equipa sénior. Desde que seja um projecto ambicioso e que me reveja no que vão fazer para mim está bom. |

Texto: José Roque - Diário de Leiria
Foto: Luís Filipe Coito

Leiriense Pedro Ferreira deixa Sporting para reforçar Varzim

O Varzim garantiu a contratação do médio português Pedro Ferreira, ex-Sporting Clube de Portugal e que, na época passada, jogou por empréstimo, no Mafra.
O jogador de 21 anos assinou pelos varzinistas por três anos e, após a assinatura do contrato, comentou o novo momento na carreira. “Estou feliz e muito confiante. Falei com amigos que passaram por aqui e todos me falaram bem do clube, da terra e das pessoas. Quero ajudar os meus companheiros a fazer o melhor pelo Varzim”.
Pedro Ferreira começou a jogar futebol ao serviço do clube da terra, o ID Vieirense, tendo feito ainda uma época na UD Leiria antes de ingressar no Sporting CP onde permaneceu durante oito épocas.

UD Leiria: Há paz à vista entre a SAD e o clube

O que parecia pouco provável há algumas semanas, afinal pode mesmo tornar-se realidade, num volte-face inesperado. Falamos da relação entre a UD Leiria SAD e o clube que prometia ‘azedar’ tendo em conta as declarações tornadas públicas de ambos os lados, mas nos últimos dias as duas entidades conseguiram sentar-se à mesa e delinear uma estratégia comum, pelo que a paz pode mesmo imperar no reino unionista.
Este sinal de ‘tréguas’ foi explicado aos sócios da UD Leiria na passada sexta-feira, aquan­do da realização da assembleia-geral do clube, numa sessão que contou com a presença de Sérgio Renita, elemento da SAD.
“Foram esclarecidos e informados os sócios dos últimos passos tomados por parte da direcção do clube junto da UDL – União de Leiria, Futebol, SAD com vista à preparação de estratégias que permitam ultrapassar todas as questões pendentes e alcançar uma maior e melhor ligação entre o futebol de formação e o futebol sénior, estando já em curso um princípio de entendimento que poderá resultar num novo protocolo a celebrar no decorrer das próximas semanas”, pode ler-se num comunicado do clube, assinado pelo presidente da mesa da assembleia, Hugo Ferreira, e publicado nas redes sociais.
Ao que o Diário de Leiria conseguiu apurar, os responsáveis da SAD e do clube reuniram na passada quarta-feira e daí nasceu uma base de entendimento que pode levar a uma estratégia futura em conjunto. Apesar de tudo, o processo está ainda numa fase embrionária e nas próximas semanas poderá haver desenvolvimentos.
Nesse sentido, mais reuniões deverão decorrer no sentido de se preparar um novo protocolo que possa ser levado posteriormente a aprovação pelos sócios.
Recorde-se que no início do mês o clube – que detém 40 % do capital social da UD Leiria SAD – pediu esclarecimento ao Conselho de Administração da SAD unionista através de uma carta. Relatórios de gestão, documentos de prestações de contas e estratos bancários foram apenas alguns dos muitos pedidos de esclarecimento pedidos à SAD, com o clube a ameaçar ainda que, caso o pedido não fosse atendido, iria recorrer aos tribunais.
Poucos dias antes, o presidente do clube, Nuno Cardoso, disse ao Diário de Leiria que a UD Leiria SAD nunca tinha cumprido com as suas obrigações para com o clube, alertando ainda para uma dívida superior a 200 mil euros.
Apesar de tudo isto, ao que conseguimos apurar, o clube está na disposição de deixar cair algumas das suas reivindicações em prol de uma estratégia em conjunto com a SAD
Da assembleia-geral de sexta-feira, salientar ainda que o plano de actividades e orçamento do clube para o período de 1 de Julho de 2019 a 30 de Junho de 2020 foi aprovado por unanimidade.
Contactado pelo Diário de Leiria, Nuno Cardoso não quis prestar declarações.

Plantel da UD Leiria já arrancou para a nova época
Arrancou ontem a oficina da UD Leiria para época 2019­/2020. A primeira sessão de trabalho decorreu no campo do Pilado, na Marinha Grande, sob o olhar atento do técnico Filipe Cândido que tem à sua disposição 22 jogadores (ver quadro), sendo que apenas seis transitam da época anterior, nomeadamente João Dias, Anilton Júnior, Dénis, Heli, Renato Alexandre e Onyeka.
Também no dia de ontem a UD Leiria SAD anunciou os mais recentes reforços. São eles o guarda-redes Yevgenii Kucherenko, formado no Shaktar Donetsk, e o de­fesa/médio esquerdo João Vítor, atleta que representou na época passada o CD Fátima.|

Texto: José Roque - Diário de Leiria
Foto: UD Leiria

domingo, julho 07, 2019

UD Leiria: Campeão europeu sub-17 é reforço e Cepeda regressa a 'casa'

João Lameira é um dos mais recentes reforços da UD Leiria. O médio terminou assim uma longa ligação ao FC Porto para juntar-se ao emblema do Lis. Com presença em alguns treinos da equipa principal dos dragões no currículo, o ponto mais alto da sua ainda curta carreira é a conquista do Campeonato da Europa de Sub-17, em 2016. Aos 20 anos, o médio natural de Santa Maria da Feira vai em busca do espaço que lhe faltou na última temporada - apenas sete jogos na equipa B dos azuis e brancos.

A UD Leiria anunciou igualmente como reforço o médio Bruno Cepeda. O atleta de 29 anos fez a sua formação no emblema leiriense, tratando-se assim de um regresso a ‘casa’. Como sénior, Bruno Cepeda representou ainda a UD Serra, o Sertanense, o CD Fátima, o SC Pombal, o Vit. Sernache, o GRAP e o Portomosense, este último na época passada.

A SAD leiriense anunciou ainda outros dois reforços, tratando-se dos defesas-centrais brasileiros Kaique Jordan (ex-Nogueirense) e Laércio Morais (ex-Cinfães).
Danny Esteves está de saída do futebol português e vai reforçar o FC Clinceny, da 1ªDivisão Nacional da Roménia. O jovem médio de 24 anos, natural de Alcobaça, e formado na UD Leiria conta passagens enquanto sénior por UD Leiria, GC Alcobaça, AC Alcanenense, Águias de Moradal, Vitória Sernache e SC Paraiense, indo agora assumir o seu primeiro desafio internacional no F Clinceny, equipa que foi na última temporada promovida à 1ª. Liga.

quinta-feira, julho 04, 2019

UD Leiria garante os três primeiros reforços

Depois de já conhecidas algumas saídas, a União Desportiva de Leiria deu hoje a conhecer os seus três primeiros reforços para a temporada 2019-2020. Tratam-se de Tomás Silva, lateral direito que chega do SCU Torreense, Francisco Silva, médio que chegou do SC Praiense  e João Cunha, defesa central ex-SC Covilhã.

Marinhense já garantiu nove reforços e João Paulo está de saída

O AC Marinhense, que na próxima época estará de regresso ao Campeonato de Portugal, já garantiu nove reforços que estarão ao serviço do técnico Rui Rodrigues.
Oficialmente o clube já anunciou o guarda-redes macedónio de 23 anos, Mirza Durakovic (ex- Fk Kitgo Pehcevo, da Macedónia); os defesas Fábio Santos (ex-SCU Torreense, de 29 anos), o francês Brian Bayeye (ex-Troyes B, de 19 anos) e Ricardo Ferreira (ex-Beira-Mar, de 22 anos); os médios André Pérre (ex-SCU Torreense, de 29 anos) e o francês Abdel Hbouch (ex-Benfica C. Branco, de 20 anos); e os avançados Adelaja (ex-CD Fátima, de 31 anos, nigeriano), Ednilson Furtado (ex-Caldas SC, de 23 anos) e o brasileiro Gilson Bógea (ex-AD Oliveirense, de 24 anos).
O clube também já anunciou algumas renovações, entre elas a do avançado Pedro Emanuel, mas quem está na porta de saída é João Paulo. O veterano defesa central/avançado não entra nos planos do técnico Rui Rodrigues para a próxima época.|

Texto: José Roque - Diário de Leiria

Mais três saídas confirmadas no CC Ansião

O Clube Caçadores de Ansião confirmou mais três saídas no seu plantel. Gonçalo Pimenta e Oginar, que numa primeira fase estavam confirmados no clube para 2019-2020, não vão no entanto continuar ao serviço do clube de Ansião, ambos por motivos profissionais. Também Vladimir de Pina está de saída do clube.

Cinco jogadores da UD Leiria SAD já encontraram novos clubes

Cinco jogadores que representaram a UD Leiria na época que agora findou já encontraram novos destinos para dar continuidade às suas carreiras. Pepo e Ulisses Oliveira vão reforçar a UD Vilafranquense, equipa que eliminou a UD Leiria no ‘play-off’ de subida à II Liga; Tiago Cerveira é reforço no lado esquerdo da defesa do Varzim, igualmente da II Liga; o central João Miguel vai representar o CD Mafra na próxima época; e, por fim, o defesa central brasileiro Nailson vai rumar à Rússia onde vai representar o FC Baltika Kalinigrado da 2.ª divisão russa. Outro jogador que já confirmou a sua saída dos leirienses foi Leonel Olímpio que colocou um ponto final na sua carreira.
Nos próximos dias mais jogadores devem conformar a saída da UD Leiria, como é o caso de Carlos Daniel e Wilson Soares.

A.F. Leiria em 3º lugar no Torneio Lopes da Silva

A Seleção Distrital de Sub-14 de Futebol Masculino da A.F. Leiria conquistou o 3º lugar no Torneio Lopes da Silva, sendo esta a melhor classificação de sempre.
Este Torneio, no qual participaram as 22 Associações de Futebol do País, decorreu de 23 a 30 de junho em Leiria e Santarém.

segunda-feira, julho 01, 2019

UD Leiria: “A SAD nunca respeitou as suas obrigações para com o clube”

O presidente da UD Leiria acusa a administração da SAD unionista de nunca ter respeitado “as suas obrigações para com o clube”, devendo “mais de 200 mil euros” à entidade que preside.
As declarações de Nuno Cardoso surgem no seguimento do comunicado da UD Leiria SAD - tornado público no passado domingo -, em que organismo presidido por Alexander Tosltikov mostrou o seu descontentamento pelo facto de o clube ter ‘reivindicado’ a equipa de juniores para a sua alçada, isto depois de quatro anos sob gestão administrativa e financeira da SAD.
“Mesmo não sabendo quais as intenções da direcção do clube e qual a estratégia que têm para o escalão de juniores, temos que aceitar e respeitar a decisão”, pode ler-se no comunicado da SAD, que ‘caiu mal’ no seio dos directores do clube.
Contactado pelo Diário de Leiria na segunda-feira, Nuno Cardoso não quis responder ao comunicado da SAD, mas depois de uma reunião de direcção, o presidente da UD Leiria decidiu ‘abrir o livro’, acusando a SAD de ter feito um comunicado que está “repleto de inverdades”.
“Eles dizem no comunicado que tinham planos para, na próxima época, melhorarem as condições de treino da equipa [de juniores] e garantirem a qualificação para a fase final, mas é muito fácil falar e depois não cumprir com ninguém”, salientou Nuno Cardoso, acrescentando ainda que a SAD tem uma dívida para com o clube que “já ultrapassa os 200 mil euros”, segundo o que está protocolado entre as duas partes.
Em relação ao facto do clube ter reivindicado para si a equipa de juniores, Nuno Cardoso explica que o mesmo se deve a dois factos. O primeiro, porque a UD Leiria “só pode receber o certificado de Entidade Formadora se tiver todos os escalões” – juniores inclusive -, e o segundo pretende-se com o facto de a direcção do clube considerar que a equipa de juniores estar mais virada para a competição do que para a formação.
“Os juniores são um escalão de formação e não de competição. O que temos vindo a sentir é que tem havido dificuldades dos nossos jogadores na transição de juvenis para juniores por acharem que não há sequência. Os juniores têm servido de ‘barriga de aluguer’ de uma equipa da distrital de Aveiro e isso é insustentável, entre outros casos. Queremos que os juniores sejam da região, tenham uma identidade”, vincou Nuno Cardoso.
E acrescenta: “Vamos mostrar que é possível fazer um trabalho competente com jogadores nossos, estabelecendo durante dois anos um processo de formação. Este ano a equipa de juniores tinha três ou quatro jogadores provenientes da nossa formação. É incompreensível”, frisou.
Recorde-se que o Acordo de Formação entre a UD Leiria SAD e o clube foi assinado em 2015, sendo renovado automaticamente todos os anos até que uma das partes decidisse denunciar o acordo. Mas não se pense que essa denúncia apenas aconteceu agora. É que em Fevereiro de 2018 o clube já tinha pedido a denúncia do acordo, mas a SAD, após conversações com o clube, conseguiu que a mesma caísse por terra, no pressuposto de serem cumpridos uma série de pressupostos, nomeadamente a nomeação de um coordenador técnico que liderasse o processo de certificação, algo que, segundo Nuno Cardoso, “nun­ca aconteceu”.
Além disso, o clube diz-se prejudicado pelo facto de não ser ressarcido pelos direitos de formação na transferência de jogadores. “Com os juniores na SAD, o clube estava a abdicar de dois anos de direitos de formação em prol de uma entidade que nunca respeitou as suas obrigações para com o clube”, sublinhou Nuno Cardoso, dando ainda o exemplo da transferência de Bruno Jordão para o SC Braga: “O clube tinha direito a 10% do valor da transferência do atleta que ascendeu a mais de 670 mil euros. Pois os 67 mil euros que nos são devidos nunca foram pagos”, acusa o presidente da UD Leiria.
A finalizar, Nuno Cardoso diz que esta tomada de posição da direcção do clube não é “contra ninguém”, mas sim para “salvaguardar” os interesses da UD Leiria. |

Texto: José Roque - Diário de Leiria
Foto: Luis Filipe Coito

André Ferreira sucede a Luís Lopes na presidência do Beneditense

André Ferreira é o novo presidente da direcção da Associação Beneditense Cultura e Desporto para o biénio 2019/2021. A eleição foi realizada na passada segunda-feira, nas instalações do clube da vila da Benedita.
André Ferreira, liderando uma lista única, venceu com 44 votos a favor e dois votos nulos. João Vicente vai assumir a vice-presidência, com André Guerra e Emídio Carreto a presidirem à Assembleia Geral e o Conselho Fiscal e Disciplinar, respectivamente.
Natural da Benedita, André Ferreira substitui assim Luís Lopes, que esteve na direcção do clube nos últimos 18 anos.|

Foto: Região de Cister

Seis jogadores da UD Leiria reforçam juniores do Marinhense


A equipa de juniores do AC Marinhense, que vai disputar a 2.ª divisão nacional na próxima época, garantiu seis importantes reforços para a sua equipa, todos eles provenientes da UD Leiria. São eles Samuel Mendes, André Carvalho, Francisco Liberato, Francisco Felizardo, Miguel 'China' Oliveira e Tomás Costa. Os jogadores irão ser orientados por Tógui Santos, com os trabalhos a arrancarem a 15 de Julho.

Foto: Ricardo Machado

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails

Wook